4 dicas para um Planejamento de Marketing que dá certo!

4 de julho de 2017 - opend [ estratégia e design ] sob medida para você!

Você está há três dias com fortes dores de cabeça e decide ir ao médico. Ao chegar no consultório, ele não troca mais que poucas palavras com você, não faz nenhum exame, passa um medicamento pra dor e manda você pra casa. Qual seria a sua reação? Você se sentiria satisfeito com a consulta? Que confiança você teria de que o medicamento iria resolver o seu problema?

Assim como um remédio, as ações de marketing são efetivas e produzem bons resultados. Porém é necessário um diagnóstico apurado, baseado nos exames e histórico do paciente para se receitar algo que seja de fato efetivo a curto e longo prazo. Na hora de pensar nas ações de marketing para uma empresa, seus produtos e serviços, o plano de marketing é o responsável por diagnosticar as necessidades e apontar os caminhos para ação. Quanto mais planejamento, mais assertivo serão as ações de marketing.

Não há um plano de marketing ideal ou modelo padrão, mas existem alguns pontos relevantes que se adaptam a qualquer segmento. Cada empresa possui suas características e especificidade, portanto cada plano de marketing é único e de acordo com o contexto que a empresa está inserida. É conhecendo a fundo a atuação e objetivos da empresa em questão que se poderá desenvolver ações que trarão resultados satisfatórios. Então, aqui vão 4 dicas para você

 

1) Olhe ao redor

Um bom planejamento exige uma análise do mercado de atuação da empresa e de seus concorrentes. A importância dessa etapa no planejamento, é conhecer as pontos fortes e fracos da esfera em que se atua ou que se quer atuar para assim aproveitar as lacunas e oferecer algo que tenha um diferencial. Aprender com os erros dos outros e não repeti-los evita o desperdício de investimento tanto de tempo como de recursos. Faça um apanhado dos bons exemplos de ações, as que mais bombaram e tiveram resultados positivos, isso auxilia na percepção e conhecimento do que os clientes gostam, ou seja, um vislumbre do caminho a seguir.

 

2) Olhe para dentro

Reconhecer suas forças e fraquezas dentro segmento em que sua empresa está inserida e em relação aos concorrentes é um ponto essencial. Mas, também é importante ser franco quanto a essência interna. Quais os objetivos da empresa? Como ela quer se posicionar no mercado? Como quer ser conhecida? Quais são seus valores e missão?

Fundamental também, é definir exatamente quem a empresa quer atrair. Quem é seu público e como ele se comporta? Os melhores resultados acontecem quando sabemos com quem queremos dialogar e quais são as necessidades dessas pessoas. Trace um perfil real de pessoas que pretende alcançar: seus hábitos, como consomem informação, suas dores, dúvidas, e até mesmo como entrarão em contato com sua empresa. Não há como atingir todo mundo de uma vez só, portanto seja específico, saiba quem é o seu cliente ideal.

 

3) Escolha as ferramentas certas

Este é o momento de definir estratégias e ações que serão construídas a partir do objetivo final da empresa. As possibilidades de ações são inúmeras, criatividade e mente aberta serão um diferencial na hora de definir quais ações terão melhor resultados. Marketing digital, offline, inbound, outbound, guerrilha, viral e por aí vai.

Leve em consideração também, o orçamento que sua empresa dispõe. Seja realista! Não adianta fazer planos mirabolantes e não poder executá-los.

Estabeleça um cronograma para a realização do plano de marketing e ações. Esse cronograma te ajudará a monitorar as ações e seus resultados proporcionando uma avaliação do que deu certo ou alteração do que precisa ser corrigido. Mudar o caminho no meio do percurso não é sinal de fracasso.  Imprevistos acontecem e precisam ser gerenciados da melhor forma. Tente detalhar ao máximo seu cronograma, desde as ações até quais ferramentas e pessoas serão necessárias para realizá-las.

 

4) Qualidade x Quantidade

A gente já sabe que tamanho não é documento faz tempo, certo? Logo, na hora de fazer um planejamento, não seja extenso e cansativo. Concentre-se no que precisa de atenção e nos detalhes importantes! Saiba filtrar as informações e ser objetivo para facilitar o entendimento e execução do plano. Quanto mais informação relevante, mais fácil será investir o tempo na prática de tirar as ideias do papel.

Se a sua marca precisa de um bom Planejamento de Marketing, analisando o mercado e definindo boas estratégias, a Opend – estratégia e design sob medida pra você – tem as melhores ações para te indicar. Deixe suas dúvidas nos comentários e entre em contato com a gente!

5 dicas de mídias sociais que vão fazer a diferença no seu negócio

7 de junho de 2017 - opend [ estratégia e design ] sob medida para você!

As mídias sociais oferecem, cada vez mais, novas formas de interação e de fazer negócios. A Hubspot separou 5 dicas de mídias sociais que vão transformar o seu negócio.

Assim como todas as plataformas digitais, estão em constante movimento, e estas mudanças afetam o comportamento do consumidor. Logo, as empresas precisam acompanhar as novidades, para entender essa dinâmica e o comportamento do seu público nesta movimentação, pois podem encontrar grandes oportunidades.

E como as empresas e profissionais da área digital conseguem acompanhar todas os novos lançamentos e informações, e decidir quais iniciativas podem fazer a diferença nos resultados dos seus negócios? Listamos aqui 5 dicas para você:

1) O poder não está na mídia escolhida, e sim no relacionamento com o público

O mais importante das mídias sociais são as pessoas, e o relacionamento que a sua marca constrói com elas. Muitas empresas focam nas novas funcionalidades, e estão sempre criando perfis nas novas mídias, tidas como a “mais nova tendência”. Não estou dizendo que não é importante estar atualizado. Mas, com toda certeza, focar no relacionamento com o público, na mídia de maior interesse dele, isso sim faz a diferença.

Quando você define suas personas, precisa entender aonde elas estão, como se comportam, e onde gostam de interagir com marcas e empresas. Ao criar um bom relacionamento com o seu público, ele vai seguir você, por uma ou mais mídias, e vai ficar cada vez mais leal à sua marca e mais disposto a experimentar o que você tem a oferecer. O relacionamento deve ser trabalhado a longo prazo, e o esforço vale a pena!

2) O Facebook vai continuar a comandar as mídias sociais por algum tempo

Não há dúvidas de que o Facebook continua liderando as mídias sociais. É claro, diferentes grupos preferem diferentes mídias, mas nosso colega Mark sabe analisar muito bem o mercado, e sempre adiciona features que fazem sucesso nas outras mídias, para fazer com que a gente continue por lá.

Muitos de nós estão no Instagram, Snapchat, LinkedIn… mas quantos de nós realmente deletamos nossas contas no Facebook? Quase ninguém, não é mesmo? Não podemos ficar de fora da maior força do mercado.

O Facebook, além de oferecer constantes atualizações no seu algoritmo, e com isso ditando as regras de como as empresas podem e devem interagir com seus fãs, também oferece ótimas oportunidades de anúncios, criação de grupos, além das suas novas opções: Facebook Stories, e a realidade virtual e aumentada que está dando o que falar.

3) Videos, vídeos, e mais vídeos

Estamos na era do vídeo, e a preferência por este conteúdo é crescente. De acordo com a CISCO, até 2020 82% do tráfego digital será iniciado por vídeos [PDF, em inglês]. E está aí mais um diferencial da mídia social: o Facebook e outras mídias dão cada vez mais visibilidade aos vídeos em seus feeds, além de estimular as empresas a investirem neste conteúdo.

Os lives também estão dando o que falar. O live streaming, ou os vídeos ao vivo, já estão no Facebook, Instagram, YouTube, sem mencionar o Periscope e Twitter. Quando algum perfil ou página inicia um vídeo ao vivo, estas plataformas ajudam a construir a audiência, avisando amigos ou seguidores sobre o vídeo.

4) Co-criação de conteúdo

As pessoas buscam empoderamento, e sentem-se extremamente motivadas quando têm a oportunidade de co-criar com suas marcas favoritas. Poucas marcas estão aproveitando esta oportunidade de ouro: ao oferecer a oportunidade de co-criação de conteúdo, ela explora outras audiências, oferece conteúdo mais autêntico, cria maior lealdade com o público, e ganha pontos onde muitas empresas falham: nas sugestões, comentários, elogios e críticas.

Hoje em dia, as pessoas até leem as descrições de produtos e serviços oferecidos pelas empresas. Mas, antes de tomar sua decisão de compra, conferem os comentários deixados por outros que já tiveram experiência com a mesma. Os clientes anteriores são os grandes influenciadores de compra atuais e, além das empresas não administrarem bem esta oportunidade, não aproveitam a chance de explorar associações positivas com a marca.

Existem muitas maneiras de trabalhar a co-criação de conteúdo, inclusive aproveitando a possibilidade do usuário conseguir criar conteúdo a qualquer hora, em qualquer lugar, através de dispositivos mobile: que tal convidá-lo a compartilhar suas percepções durante um almoço no seu restaurante, um evento na sua casa de shows, uma compra na sua loja, uma visita ao seu portal?

As possibilidades são infinitas para a criação de textos, imagens e vídeos. Com esta iniciativa, você pode aumentar o seu alcance, a qualidade do seu conteúdo, e conectar-se com micro influenciadores sociais.

5) O papel das mídias na sua estratégia de Inbound Marketing

As mídias sociais são ótimas ferramentas em todos – TODOS – os estágios do inbound. É claro, elas desempenham um papel fundamental para atrair e converter leads. É possível prospectar desconhecidos, entregar conteúdo aos leads e clientes certos, no momento certo, e gerar engajamento. E lembra-se do relacionamento? As mídias também podem ser utilizadas no relacionamento, de forma a tornar clientes satisfeitos em promotores da sua marca.

Existem diversas estratégias de mídias sociais a serem executadas durante a jornada de compra, e os estágios do funil de conteúdo.

Segundo o Estado do Inbound 2016, publicado pela HubSpot, os profissionais de marketing brasileiros não estão criando conteúdo que os consumidores realmente querem ver, ao mesmo tempo que 66% têm como maior desafio aumentar a quantidade de tráfego e leads gerados. Logo, podemos concluir que as empresas não estão utilizando as mídias como estratégia fundamental, nem de maneira correta, para atrair e converter leads.

O relatório também apresenta informações interessantes sobre os canais de distribuição de conteúdo que as empresas pretendem focar em 2017.

Pronto para alcançar mais resultados no seu negócio com as mídias sociais?

Estas e outras dicas podem ajudar o seu negócio, seja ele online ou offline. Não se esqueça do quanto é importante realizar um diagnóstico do mercado e público-alvo antes de colocar em práticas as suas estratégias, para aproveitar todas as oportunidades.

E, é claro, fique atento às novidades do mercado. As mídias sociais mudam diariamente, e você precisa manter-se atualizado para estar sempre pronto para oferecer a melhor experiência para o seu público!

Fonte: Hubspot

As 10 habilidades de negociação essenciais para vendedores

11 de maio de 2017 - opend [ estratégia e design ] sob medida para você!

De vendedor todo mundo tem um pouco, ou deveria ter. É muito importante saber como negociar sua ideia, produto ou serviço. Veja as dicas que a Hubspot preparou pra você aprender como negociar de maneira eficaz.

Você cotou um preço e enviou o contrato. Agora, é só o prospect assinar e o acordo estará feito. Você estava otimista durante as ligações de prospecção e acompanhamento.

Mas aí…recebe o e-mail temido: “Gostaria de conversar sobre alguns detalhes deste contrato antes de assinar.”

Mesmo que um vendedor tenha qualificado um prospect corretamente e gerenciado suas expectativas ao longo do processo de vendas, o acordo ainda poderá fracassar em uma negociação. O representante então precisa deixar de ser consultor para ser negociador e conduzir um acordo que seja bom para os dois lados, o dele e o da empresa do prospect.

Embora as negociações possam se arrastar em um número infinito de direções, os vendedores que dominarem as 10 habilidades de negociação a seguir estarão bem preparados para driblar as adversidades. Leia abaixo para ver uma explicação detalhada sobre cada habilidade.

1) Defina com antecedência as concessões que você está disposto a aceitar

No calor do momento, um desconto de 30% ou mais seis meses de suporte pode parecer perfeitamente aceitável. Só quando você volta para a sua mesa e começa a elaborar o contrato é que percebe que concordou com termos que não poderia ou deveria aceitar. Defina claramente os limites no descontos de preço, bônus ou outros acréscimos antes de se encontrar com seu prospect para ter certeza de que você chegará a um acordo vantajoso para ambos.

2) Deixe o prospect falar primeiro

Você apresentou os termos do acordo e o prospect gostaria de negociá-los. Deixe que ele inicie a conversa. Com a intenção de serem flexíveis, os vendedores geralmente ficam tentados a oferecer um desconto ou ajuste antes mesmo de o prospect abrir a boca. Mas você não sabe o que ele dirá! Assim como ocorre em outras áreas de vendas, vale a pena ouvir primeiro e só falar depois.

3) Não proponha um intervalo

Se o cliente preferir um desconto no preço da etiqueta do seu produto, não diga, “bem, provavelmente conseguirei reduzir o preço em 15 ou 20%”. Quem aceitaria 15% quando 20% foi oferecido? Sempre faça a cotação de um número ou valor específico e, em seguida, aumente ou diminua se for necessário. A palavra “entre” deve ser evitada a todo custo.

4) Evite dividir a diferença

De acordo com o especialista em vendas Art Sobczak, oferecer-se para dividir a diferença pode prejudicar mais do que se imagina. Por exemplo, se o produto ou serviço custa US$ 100 e o prospect quer um desconto de 50%, o vendedor não deve sugerir o valor de US$ 75 embora isso pareça o mais lógico a se fazer. Se o vendedor oferecer um leve desconto, mas ainda mantiver o número próximo ao preço original, o prospect provavelmente aceitará e a margem será maior para você.

5) Não coloque nada no papel até o término da conversa

As negociações podem se prolongar indefinidamente. Muitas ideias serão propostas, algumas serão aceitas, outras descartadas. Um vendedor deve ser sábio a ponto de só revisar o contrato no final da reunião e depois que todas as partes tiverem concordado verbalmente com os termos.

6) Negocie com o tomador de decisão

Essa dica pode parecer óbvia, mas, de acordo com John Holland, muitos vendedores cometem o erro de negociar com a pessoa errada. Isso significa que, quando a conversa começar com o verdadeiro tomador de decisão, ele provavelmente começará com o preço com desconto que já foi cotado na primeira reunião. Um ótimo resultado para o prospect, mas um péssimo negócio para o vendedor.

7) Obtenha algo em retorno pelas concessões

Relacionamentos saudáveis entre vendedor e cliente são baseados em respeito e confiança mútuos. Com isso em mente, os vendedores não devem aceitar cada uma das demandas de um prospect sem fazer suas próprias solicitações. Se forem capazes de manter a negociação interessante para ambos os lados, vendedores e clientes podem permanecer em condições de igualdade, o que é a base para um relacionamento vantajoso mútuo.

8) Expanda a conversa para além da questão financeira

O aspecto mais comumente negociado de uma venda é preço, então os vendedores devem estar preparados para falar sobre descontos. No entanto, como preço está atrelado a valor, e valor atrelado à percepção de um cliente e à satisfação com um produto, os vendedores devem considerar a oferta de outros itens ou bônus em vez de um preço menor. Tenha em mente que essa não é uma regra fácil e padronizada: as concessões específicas que um vendedor pode oferecer dependem da situação.

9) Mantenha o tom da conversa leve

Embora prospect e vendedor fiquem em lados opostos em uma mesa durante a negociação, eles serão parceiro se o negócio for assinado. Mantenha a conversa leve e agradável para evitar situações incômodas.

10) Afaste-se se for necessário

Vendedores não devem aceitar nenhuma situação desconfortável criada por prospects. Se as demandas não forem razoáveis ou lucrativas para a empresa, não tenha medo de se esquivar do negócio. Um cliente que só aceita assinar se o contrato for alterado radicalmente ou se o preço diminuir consideravelmente é mais propício a causar problemas mais adiante. E, como eles claramente não percebem muito valor na oferta, é apenas uma questão de tempo até se tornarem insatisfeitos. Desista pelo seu bem e o bem do prospect.

Fonte: HubSpot

10 filmes imperdíveis para empreendedores no Netflix

20 de julho de 2016 - opend [ estratégia e design ] sob medida para você!

Quem nunca ficou por horas procurando um bom filme no Netflix e não encontrou? Talvez os amantes e seguidores de series não passem por estes problemas, já em termos de filmes acredito que o negócio deixa a desejar.

Como empreendedores e cinéfilos de carteirinha, assistimos, aprovamos e recomendamos todas as dicas abaixo sugeridas pelo portal da Exame. Não deixe de assistir, além de excelentes filmes são verdadeiras as aulas sobre empreendedorismo, que irão te inspirar.

Coincidentemente, a maioria do filmes indicados são histórias verídicas e com personagens fortes.


Leia mais… “10 filmes imperdíveis para empreendedores no Netflix”